Schlagwort-Archive: Donauwörth

JUST MOMENTS… NUR AUGENBLICKEN… APENAS INSTANTES…

donauwoerth_ao_final_da_guerra_1945_4_Custom

Após a segunda guerra mundial, abril de 1945: Donauwörth destruída pela guerra.

donauwoerth_card_Custom

Anos depois, Donauwörth renasce das cinzas, uma linda cidade, um misto do antigo e do novo, da tradição de uma ex-monarquia independente e de uma pequena e charmosa cidade em pleno desenvolvimento.

Verinha Rath, uma excêntrica mulher, devidamente protegida contra os nefastos raios de sol…

Assim como esta cidade eu também me havia convertido em cinzas, e agora renasço para a vida em sua simplicidade, curtindo aqueles momentos em que sinto prazer por estar viva… pensei que isto não mais fosse possível… (foto batida por Monika, esta é a bicicleta dela)

Eu, num auto-retrato improvisado, assim como o outro em que estou sem a bicicleta. Notem as marcas de expressão, abaixo da boca… eu poderia corrigir isto com o Photoshop, aliás fiz outra versão sem… risos… mas aí também está escrita a história de minha vida.

Eletrônicos, minha grande paixão… um drink pra recarregar a bateria… ahahahahahah (eu recebi esta surpresa quando comprei minha Estação Metereológica por satélite… juro que no começo acreditei que fosse algum combustível perigosíssimo…ahahahahahah… pois eu sempre creio no que leio… )

E por trás de tudo, em background, sempre o meu grande inspirador, aquele que está por trás desta redescoberta para a vida: meu amado Stefan, meu amor, meu eterno namorado. Nova versão do slide escaneado, mas em tamanho pequeno não ficou legal.

O texto escrevo quando tiver inspirada… no momento não consigo ficar muito centrada em nada, parece que vivo várias realidades ao mesmo tempo, mas não pouso em lugar nenhum…

… Característica de meu signo, segundo uma amiga astróloga.

Beijos,

Verinha Rath.

WOLFGANG AMBROS – WENN DIE NACHT VOM HIMMEL FALLT

 

WOLFGANG AMBROS lyrics

Parte subterrânea da Bahnhof, onde se tem acesso às plataformas de 2 a 7 (eu me lembro muito de Stefaninho, sempre correndo pra pegarmos o trem…)

A Bahnhof de Donauwörth neste dia meio nublado em que fiz o meu segundo passeio de bike.

DCF 1.0

As nada amigáveis máquinas automáticas pra se comprar tickets. Agora eu posso comprar pela Net… mais uma vez me lembro de Stefan, sempre com pressa e xingando… „Scheiße!“… ahahahahah

Um trem regional parado na Estação.

RIED, um centro badalado, próximo ao Rio Wörnitz. É onde encontramos o café Raffaello e o CINEDROM. Nesta foto uma famosa construção „Rieder Tor – Haus der Stadtgeschichte“. Leiam mais abaixo:

http://www.verinha2.de/minha_amada_donauwoerth_texto.htm

Mais Ried…

Café Raffaello à esquerda e CINEDROM à direita (tem vários cinemas e bons)

Café Raffaello e o Rio Wörnitz, que faz confluência com o Donauwörth.

Ainda no Ried, uma Bäckerei (confeitaria).

Hotel perto da Bahnhof com preços super módicos!!! (amigos, está à disposição… ahahahahahahahah)

Rio Wörnitz (Die Wörnitz ist ein linker Nebenfluss der Donau).

WOLFGANG AMBROS LYRICS – WENN DIE NACHT VOM HIMMEL FALLT

Wenns’d außeschaust beim Fenster, siehst mi kommen,
a Lächeln kommt da aus, der Rauch steigt auf,
der Rauch von meine Brief‘ an di, die brennen,
der schmerzt dir in die Augen, und jetzt denkst nach.
Der Weg war ziemlich hart, das kannst ma glaub’n,
es muss was passieren, und des schon bald!
I steh vielleicht auf di, oder du vielleicht auf mi,
wenn die Nacht vom Himmel, wenn die Nacht vom Himmel,
wenn die Nacht vom Himmel obefallt.

In deinen Augen seh‘ i mi wie in an Fenster,
a ganze Menge liegt schon hinter mir,
i bin ka Narr, und i seh‘ kane G’spenster,
wenn i schon absauf‘, dann sicher net in dein‘ Bier!
Für alle Zeit werd‘ i’s net vergessen,
die Eiseskält’n, die aus deine Augen strahlt,
und wenn wir uns amoi verlier’n,
bleib i trotzdem immer in dein‘ Hirn!
Wenn die Nacht vom Himmel …

Mein G’fühl für di wird sicher nimmer größer,
oder glaubst‘, i spiel für di den Knecht?
Des nächste Mal, da waß i’s sicher besser,
weil mei Erinnerung is no net so schlecht!
Heute will i nix mehr, außer frei sein,
doch i hab‘ das G’fühl, das lasst di kalt,
und wenns’d mi amoi vergisst,
waß i trotzdem immer, wo du bist!
Wenn die Nacht vom Himmel

Midi convertido por mim a partir de um CD de Wolfgang Ambros: AQUATOR.