Schlagwort-Archive: auto-ajuda

TRECHOS DO LIVRO “AJUDA-TE PELA PSIQUIATRIA”, de Frank. S. Caprio (Tradução de Dilma Ferraz Sampaio Carrazedo). Título do original norte-americano “Helping yourself with Psychiatry” (1957)

My not so great downfall this year, by biking over black ice!!! (video by Verinha Rath with OREGON OREGON ATC-2K)
(meu tombo deste ano, já visto por vocês…)

Here the last year, the first snow, I’m biking over snow, minus 8 degrees. The kind of snow is not so dangerous like „black ice“ (Glatteis auf Deutsch). I also made this video with my OREGON OREGON ATC-2K connected with my helmet)

No ano passado, oito graus negativos, meu primeiro passeio sem neve (tenho muitos outros no Youtube)!!! Corri um bocado, não caí, mas acho que a neve não estava com tanto gelo!

Other: perhaps this is more wonderful… „Christmas day: minus 3 degrees, biking with my OREGON ATC-2K (by Verinha Rath). Background sound: Pink Floyd… I loooooove this music! It’s exactly my life’s style, or my feeling, mein Gefühl!!!

 

I could find this in German’s language Wikipedia (very interesting):

Winterglätte
(Weitergeleitet von Straßenglätte)

Zeichen 113 – Schnee- oder Eisglätte
Winterglätte (umgangssprachlich auch Straßenglätte) entsteht, wenn sich auf der Fahrbahnoberfläche eine Eisschicht oder eine andere Gleitschicht bildet. Dafür gibt es verschiedene Ursachen:
bei Schneeglätte wird bereits vorhandener Schnee durch Druck, z. B. von Autos oder Fußgängern, zu einer glatten Schicht zusammengepresst. Besonders glatt wird diese Schicht, wenn sie leicht antaut und wieder gefriert. Auch gefrierender Schneematsch führt zu Schneeglätte.

Schneematsch
Ungefrorener Schneematsch führt zu Rutscheffekten, wenn er sich vor blockierenden Reifen (vgl. ABS) staut und der sich dadurch bildende Keil aus Schneematsch auf der Straßenoberfläche gleitet. Diese Gefahr kann auch dann entstehen, wenn Winterdienst auf nicht ausreichend geräumten Straßenoberflächen erfolgt.
Von Eisglätte (überfrierende Nässe) spricht man, wenn auf der Straße vorhandenes Wasser (Pfützen) gefriert
Reifglätte entsteht, wenn die Temperatur des Straßenbelags unter dem Gefrierpunkt liegt und Luftfeuchtigkeit anfriert. Da Brücken nachts stärker abkühlen, ist hier die Gefahr von Reifglätte besonders groß.
Bei Glatteis gefriert frischer Niederschlag beim Auftreffen auf dem Boden. Wenn normale Regentropfen auf dem kalten Straßenbelag sofort gefrieren, wird das in Boulevardmedien oft als „Blitzeis“ bezeichnet. Gefrierender Regen entsteht durch unterkühlte Regentropfen, Eisregen durch gefrorene Regentropfen (Eiskörner).

Warnschild
Matschglätte kann trotz entsprechender Verkehrssicherungspflichten vor allem im ländlichen Raum auftreten, wenn nasse Bodenreste von landwirtschaftlichen Flächen auf eine Straße verbracht werden.
Eine gefährliche Schmierschicht kann dann entstehen, wenn es lange nicht geregnet hat und sich eine zwischenzeitlich auf der Fahrbahn gebildete Staubschicht mit dem Regenwasser vermischt.
Warnschilder (etc.) befreien einen Straßenverkehrssicherungspflichtigen oder einen Verursacher von Straßenglätte nicht von der Pflicht, Straßenglätte zu bekämpfen, soweit dies rechtlich nicht anders geregelt ist. Die meisten Gemeindesatzungen verpflichten die Anlieger beziehungsweise den Winterdienst zur Beseitigung winterlicher Glätte in der Zeit von 7 bis 20 Uhr, am Wochenende ab 8 Uhr.
Siehe auch: Aquaplaning (Wasserglätte)

Winterglätte
(Weitergeleitet von Straßenglätte)

E agora o post em si… (bem adeqüado para o meu curto-circuito mental dos últimos dias que Cesar and Rick acompanharam…)

Da sessão 11 “O ESGOTAMENTO NERVOSO PODE SER EVITADO”

O Meio Mais Fácil é o Melhor Caminho

Uma vida sem preocupação é o caminho mais fácil. Muitos empurram e outros puxam demais a vida. Há ocasiões em que é mais prudente deslizar ou simplesmente escorregar. O bom nadador conserva a sua energia flutuando de quando em quando, deixando, assim, que as ondas o carreguem mais para perto da praia. Existem muitas pessoas que ainda não aprenderam a sabedoria da economia emocional. Ficam, em tudo o que fazem, emocionalmente envolvidas em demasia e consequentemente passam a maior parte do tempo sob tensão nervosa e exaustas. Essas pessoas estão sendo postas „knock out“ por si próprias, para usar uma expressão de gíria.
Você riria se pudesse testemunhar um campeão de peso pesado pôr se acidentalmente a si mesmo „knock out“ quando, durante o treinamento, lutava com sua própria sombra? Ninguém o culparia se Você risse.
Um dia observando o meu filho de três meses no seu berço, notei que ele agitava os bracinhos sem nenhuma direção, batendo no seu próprio rosto. Mesmo chorando, ele repetia o processo.
Era divertido e ao mesmo tempo triste que eu não pudesse explicar ao meu filho que somente ele era responsável pela sua dor. Veio – me então o pensamento de que milhares de pessoas estão fazendo a mesmíssima coisa – pondo – se fora de combate por meio de doenças infligidas por elas próprias.

Não é minha intenção ridicularizar uma pessoa que se torna inimiga de si mesma, pois os psiquiatras podem bem avaliar quanta infelicidade os seus pacientes sofrem por causa das suas frustrações.

• O Pensamento Negativo

O que é que Você pode fazer contra esse processo autodestrutivo? Em primeiro lugar é preciso reconhecer que Você se está entregando ao pensamento negativo. Se a sua maneira habitual de pensar é cheia de medo, de inveja e erótica, então Você se sentirá deprimido, ansioso e desgostoso. O pensar e o sentir podem promover um ciclo vicioso de causa e feito. Os seus próprios hábitos de pensar determinam se um revés ou uma tragédia de perda pessoal irá causar – lhe uma dor inútil ou se poderá ser controlada até que o tempo cicatrize a ferida e lhe traga felicidade novamente.
O pensamento negativo recusa – lhe o poder do pensamento construtivo. Desgasta a sua energia e corrói a sua felicidade. Ele conhece a tragédia e o desapontamento e sabe como é fácil escorregar para o caminho destrutivo, do ressentimento e da amargura.
Um amigo meu, psiquiatra, perdeu o seu único filho. Foi morto num „raid“ aéreo sobre o território inimigo. O Dr. X desenvolveu uma cruel batalha com o desespero. Não era fácil ouvir as histórias de outras pessoas, às vezes bem menores do que a sua e apresentar suas simpatias, dando toda a atenção aos problemas delas.
– Durante vinte e cinco anos ajudei as pessoas com os seus
problemas mentais, disse-me ele, mas agora parece que chegou a
minha vez.
O Dr. X, um pouco forçadamente, ainda acrescentou:
– Dizem que a pessoa que dobra um pára-quedas precisa estar
disposta a usá-lo e provar que foi dobrado satisfatoriamente. O
mesmo se aplica ao psiquiatra. Precisei aprender a pensar no meu
rapaz, como fiz a princípio, caindo vertiginosamente para a morte.
Aprendi a não me deixar invocar pela sua infância e pela minha
perda irreparável. Ele foi um lutador – eu preciso ser também.
Resolvi concentrar – me nos meus pacientes, no meu trabalho e nos
mais altos objetivos que possa alcançar.

Uma vez que Você admite o fato de que a sua mente é presa de pensamentos mórbidos, a segunda providência é reconhecê-lo pelo que realmente é.

• O Pensamento Mórbido Pode Tornar – se um Hábito

É quando os pensamentos mórbidos se tornam habituais que
nos encontramos em perigo de um esgotamento nervoso. Esses
pensamentos nos amedrontam cada vez mais. Horrorizados de
nós mesmos tentamos reprimi-los. Os neuróticos dissipam toda
a sua energia mental preocupando-se com os seus pensamentos negativos.
Quando um paciente me conta que a sua mente está fugindo com ele, que está sendo acossado por pensamentos negativos, ele invariavelmente diz: – Eu estou enojado comigo mesmo. Não quero ter estes pensamentos odiosos.
Porém na verdade ele quer tê-los. Não conscientemente, talvez,
mas subconscientemente. Se não houvesse um profundo e poderoso
interesse nesses pensamentos, não os teria. É como o alcoólatra que diz para Você:
– Eu na verdade detesto esta droga, mas não posso deixá-la.
O paciente pode estar muito certo quando diz que o seu
pensamentoto negativo é involuntário. As circunstâncias podem introduzir em nós idéias extravagantes de toda espécie e a mente
é capaz de tudo em matéria de imaginações, boas ou más.
O fato de ele continuar permitindo o desenvolvimento do pensamento negativo demonstra a necessidade de encontrar a causa oculta – o desejo oculto que o instiga a pensar assim em vez de exercitar a maneira de controlar-se.
Paradoxalmente, os seres humanos podem aprender a gostar
das próprias coisas que destroem a sua paz de espírito. A meditação possui as suas fascinações. As fantasias de vingança ou do
prazer erótico podem ser distintamente prazerosas, uma vez que
nos desculpamos dizendo que não as queremos, mas que não podemos
contê-las. Os preocupados crônicos gostam de sentir – se

infelizes, somente porque desconhecem a alegria muito maior
que advém do controle mental.
Não apenas o presente, mas também o passado, oferecem tentação ao pensamento negativo; a tentação de permanecer em alguma experiência reprimida na infância, se não for devidamente controlada, pode resultar em conflitos mentais.

Quero reprisar que a mera ocorrência desses pensamentos não é culposa: torná-los um hábito não é culpa de ninguém senão exclusivamente sua, Porque sempre que esses pensamentos vêm à mente, temos a livre escolha de rejeitá-los ou aceitá-los.

• Use Seu Comutador Mental Quando Tiver Necessidade

Todos nós temos o que poderíamos chamar de comutador mental. Nada neste mundo pode nos compelir á pensar numa determinada idéia, exceto o nosso próprio desejo. Se Você fizer um esforço consciente, poderá desligar qualquer pensamento que lhe vier à mente – como o faria com um fraco programa de rádio.
Um homem que esteja com torcicolo e que ocasionalmente leia a respeito de uma epidemia de pólio, pode repentinamente pensar: – „Meu Deus! Acho que contraí a paralisia infantil. Nesse momento ele pode fazer uso do seu comutador mental; deixar que esse pensamento lhe invada a mente, sentar — se e tremei de medrosas possibilidades ou então poderá olhar novamente para o seu pensamento e dizer:
— Que idéia horrorosa é esta agora! Eu poderia morrer de
medo se quisesse continuar com este pensamento, mas eu não
quero.
Vira o botão, corta a corrente negativa de pensamentos e continua a pensar em coisas saudáveis. Porém, lembre — se, ele assim fêz somente depois de examinar a coisa cruamente, reconhecendo-a como tolice. Ê preciso investigar deliberadamente esses fantasmas mentais que chegam até Você, antes que Você os interrompa e continue a pensar em outros assuntos.
Como qualquer outra coisa, isto requer um esforço consciente. Mas o esforço primário é microscópico comparado ao grande esforço que será necessário à reabilitação, caso Você se deixe arrebatar pelos hábitos do mau pensamento. Se os maus pensamentos se tornaram um hábito escravizador e de longa permanência, o paciente muitas vêzes
dirá ao seu psiquiatra:
— Não ouso ficar a sós com os meus pensamentos. Eles me
aterrorizam.
Nesse caso, sempre que o medo dos pensamentos se torne arraigado, é necessário que se reflita sobre esses mesmos pensamentos, por menos que se queira. Mas não em segredo ou com vergonha. E preciso falar a respeito deles, escrevê-los, tirá-los fora do sistema e para a claridade, exatamente da mesma maneira que se lanceta uma infecção para livrar-se do pus da substância maléfica, antes que se possa esperar pela cicatrização.

Deste modo, o homem ou a mulher que são vitimados por tais pensamentos se colocam em expectativa e transformam os pensamentos de tentações medrosas, de tristezas e de terrores, em fantasmas mentais inteiramente criados por culpa própria. Quando o medo fôr banido, então pode — se dar início ao uso do comutador mental para expulsar o gérmen do mal.

• Deixe de Meditar em Coisas Mórbidas

A ação é o tônico que deve acompanhar o pensamento que não é saudável. Não deixe que lhe sobre tempo para tais meditações. Voltaire disse: „Quanto mais meditarmos em nossos infortúnios tanto maior será o seu poder para nos ferir.“
Mas sempre aparece uma lamentação: „Mas por que deveria ser „Eu“ a vítima de tão horríveis pensamentos? Por que é comigo que acontece ter pensamentos odiosos, ter medo de doenças e de morte, todas as vezes que tenho um resfriado ou uma dor de cabeça?
O psiquiatra responde:
— Por que não Vocês? Todo mundo sem nenhuma exceção está sujeito a tais pensamentos. Você não é o único em seus pensamentos mórbidos e nem em seus bons pensamentos. Tudo o que Você pensa foi anteriormente pensado e será pensado outra vez.
Ver — se em perspectiva é uma necessidade, se Você desejar possuir bons hábitos de pensar. Esses hábitos serão a chave de toda a sua personalidade. Como um soldado, Você pode alertar — se do perigo de um mau comportamento mental.

• O Álcool Não é a Resposta

Hoje em dia uma das fugas mais comuns de pensamentos depressivos está na garrafa. „Tome um trago e afogue as suas mágoas“, grita o bêbado feliz. Amanhã, ele não será feliz e nem terá esquecido os seus aborrecimentos. Estará doente, fraco, trêmulo e duplamente amedrontado pelas mesmas ambições que não pôde encarar um dia antes.
• É Você Quem Escolhe
Lembre — se de que Você pode, literalmente, através do pensamento, abrir caminho para um esgotamento nervoso ou seguir em direção oposta; para uma infelicidade crônica ou uma feliz auto-suficiência; para uma vida de sucessos ou para o suicídio. A escolha é sua.

Outras Coisas Que Você Pode Fazer Para Evitar o Esgotamento Nervoso[/b]

1. Precate-se de tomar a sua própria pessoa muito a sério.

2. Cultive o senso de humor e ria mais. Os testes sobre o riso provaram que a risada reduz a tonicidade muscular e relaxa os tecidos, enquanto a carranca aumenta a tonicidade muscular e coloca o corpo todo sob tensão e esforço.

3. Quando as coisas se tomarem difíceis, Você deve discutir os seus problemas com alguém – é preferível arejá-los a conservá-los com Você. Os conflitos se inflamam e se transformam em abscessos mentais.

4. Quando Você sentir necessidade de férias, deve tirá-las.

5. O cultivo de um passatempo é tão importante como o ganho de dinheiro ou a aquisição de conhecimento.

6. Manter-se fisicamente em forma é também importante.

7. Espaireça os medos que por acaso Você tenha cultivado em virtude de uma previa e errônea concepção sobre esgotamento nervoso.

8. Se necessário leia, muitas vêzes, este mesmo capítulo, que é todo especial.

Texto escaneado por Vera Rodrigues-Rath, não tendo nenhum direito de copyright sobre o mesmo. A tradução apresenta falhas, mas não alterei em nada a versão da tradutora oficial. E como sei este livro quase de cor, as palavras mal traduzidas foram assimiladas por quase como mandamentos (no bom sentido, entendam!)


Postei na comunidade sobre TOC, que ainda modero:


http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=1071621&tid=5276643266224016754&start=1

TRECHOS DO LIVRO “AJUDA-TE PELA PSIQUIATRIA”, de Frank. S. Caprio (Tradução de Dilma Ferraz Sampaio Carrazedo). Título do original norte-americano “Helping yourself with Psychiatry” (1957)

TRECHOS DO LIVRO “AJUDA-TE PELA PSIQUIATRIA”, de Frank. S. Caprio (Tradução de Dilma Ferraz Sampaio Carrazedo). Título do original norte-americano “Helping yourself with Psychiatry” (1957)

Pessoal, quando eu tinha 13 anos eu pensava em suicídio. Não era só toc que eu tinha, mas um terrível complexo de inferioridade, eu sofri maus tratos na escola quando era criança… enfim, nesta época fui ao neurologista, psiquiatras, psicólogos, fiz tudo o que era necessário.

Naquele tempo no Brasil não se utilizava antidepressivos e o TOC não era visto como hoje, as pessoas eram vistas como „normais“ ou „neuróticas“, sem estas divisões todas: bipolar, fóbico social, borderline, portador de toc, síndrome do pânico, etc, etc.

Enfim, o ser humano era visto de uma maneira mais global, sem ser enquadrado nestes rótulos que hoje vigoram.

Os medicamentos receitados então eram os chamados tranqüilizantes, alguns vendidos sem receita, os mais fracos, chamados „antidistônicos“. Não existia faixa preta…

Enfim, mas o que estou querendo compartilhar com vocês é um livro antigo, que era de minha mãe, e que me ajudou naqueles momentos em que eu estava sozinha, sem ninguém pra falar e pensando em acabar com tudo.

Hoje passei umas duas horas escaneando e corrigindo no meu micro, pois este material não existe em lugar algum.

Portanto, é com muito carinho que compartilho com vocês.


FIM DA EINTRAG