Sobre esta criatura esdrúxula que sou …

Eu sou um ser basicamente anti-establishment. Não consigo lidar com a realidade como a maioria dos mortais. Não consigo me adequar a uma série de padrões estabelecidos, seja de comportamento, pensamento ou o raio que o parta. Não sou uma pessoa normal, nunca fui. Não sou adepto do pensamento positivo, mas nem por isto sou uma pessoa amarga. Pelo contrário, costumo rir de minhas próprias desgraças e com isto desopilo o meu mal-tratado fígado.

Tenho uma aversão profunda por esta teoria do „pensamento positivo“, que na realidade se alastrou quase como uma fé religiosa depois da ampla divulgação do filme „The Secret“.

Eu nunca admirei nem um tipo de herói, os meus ídolos sempre foram os assim chamados anti-heróis. Por exemplo, o detetive Columbo, Mr. Bean e aqui na Alemanha o personagem principal da série Der Tatortreiniger – Schotty.

Valores como tradição, família e propriedade não fazem de parte de meu repertório conceitual. Lembrando que eu nos tempos áureos de Hoodstock assumia uma postura hippie, quando da eclosão de um outro lado de meu ser: meu lado andrógino, detentor de um „caráter“ mais masculino que feminino. Surgira então a figura de Arev. Hoje poder-se-dia dizer que foi o meu outing.

Já cometi loucuras que chocariam todos aqueles que prezam valores como … ponderação, bom senso ou sei lá que nome tenha isto. Como diz um grande amigo meu, poderia escrever um livro sobre minha vida pregressa. Uma história triste mas também muito louca com momentos de aventuras desembestadas.

Não, amigos. Não esperem nunca que eu seja um cara normal. Não esperem que eu acredite num mundo cor de rosa onde tudo sempre dá certo, onde sempre existe happy end.

OK, mas de uma coisa não abdico nunca … da amizade sincera dos que conseguem me amar apesar de eu ser assim, uma criatura excêntrica e não enquadrável nos padrões da heteronormalidade.

Hoje acordei com um ataque de quase pânico, com meu coração a 120 batimentos por minuto ou mais. Não consigo, infelizmente, dizer pra mim que „está tudo bem, que vai dar tudo certo“ e conseguir dormir como um anjo.

Mas … vou tentar nestes últimos dias antes da internação hospitalar me preparar para ter um mínimo de conforto em Donau Ries klinik. Isto significa … levar uma mala quase tão grande quando a que levei pra minha viagem ao Brasil … ahahahah

Não, gente … vou levar alguns trolleys. O principal de tudo são meus eletrônicos, travesseiros (já comprei travesseiros extra pra a estadia em Donau Ries) … isto inclui … celulares, TAblet, extensão elétrica com várias saídas, Verlängerungskabel e meu Gigacube. Com meu cartão da Lufthansa vou poder conversar telefonicamente com um círculo pequeno de pessoas no Brasil, que estão acompanhando meu drama pessoal. OK, é um preço pagável mas não é barato. A ligação para o Brasil custa 0,19 Euros por minuto ou 0,80 Reais por minuto. Mas sem meu flatrate de casa, é a única opção fora internet de me comunicar com os entes queridos que estão me acompanhando o tempo todo de perto.

Naja, ainda tenho que preparar estas listas do que levar, onde levar … providenciar comidas e bebidas para as madrugadas (quando o comum dos mortais dorme e eu fico acordado) … e o pior, as perguntas e avisos que preciso fazer para os anestesistas e médicos quando for lá para a preparação. Sob pânico, eu perco a capacidade de falar, de expressar qualquer pensamento ou sequer entender o que estão me falando. Entro num limbo. Naja, vou na base de 4 mg de Rivotril por dia, alguns dias plus Vivinox e … lets hope for the best.

Nam Myoho Renge Kyo🙏

Arev

Schreibe einen Kommentar

Deine E-Mail-Adresse wird nicht veröffentlicht. Erforderliche Felder sind mit * markiert.