Archiv für den Monat: Februar 2005

Meus amores… o momento da amiga aqui é de pausa, reavaliação e restabelecimento de meu equilíbrio físico e psíquico. Conto com o apoio e compreensão de vocês!




Meus amigos… hoje fiquei em dúvida se escreveria aqui ou no meu outro blog, o „REFLETINDO COM MEUS BOTÕES“.

Resolvi escrever algo por aqui mesmo. O outro espaço fica reservado para escritos ainda mais íntimos, sem a mínima preocupação em agradar a quem quer que seja, talvez um recanto onde eu possa também expor meus outros lados… As pessoas vivem em busca da unicidade, mas na realidade, se pararmos para pensar um pouquinho, como somos múltiplos…

O Blogg „diário“ continua este da Verinha que vocês conhecem, e o outro de outra parte de mim mesma que talvez nem eu mesma conheça lá muito bem…

Não tenho tirado muitas fotos ultimamente, há tempos venho me sentindo muito cansada, e agora chego a conclusão que pelo menos parcialmente, isto se deve a problemas físicos que venho enfrentando.

Como é de conhecimento de alguns, na semana que vem serei submetida a uma cirurgia de pequeno porte no hospital de Donauwoerth (Donau Ries Klinik), para a excisão de um pólipo uterino muito provavelmente benigno; o procedimento exigirá administração de anestesia geral (Vollnarkose). Não nego que ando abalada, pois a maior paúra que tenho na realidade não é de estar doente, ou com algo grave, mas dos hospitais em si. Talvez por ter passado por até então 9 cirurgias em minha vida, eu desenvolvi um verdadeiro horror a estas instituições.

Eu já disse a Stefan: quero voltar no mesmo dia, e se quiserem me segurar lá assinarei um termo de responsabilidade assumindo os eventuais riscos pela minha vida. Mas haverão de permitir as forças universais que me liberem espontaneamente, sem que eu tenha que tomar medidas mais drásticas.

Meu Deus, não tenho fotos, só as maravilhosas pictures de Portugal de Sheilinha, mas estas vão para o site!!!


AJUDA-TE PELA PSIQUIATRIA! – MAIS ALGUNS TRECHOS COLETADOS DO LIVRO DE FRANK S. CAPRIO, PSIQUIATRA AMERICANO

0 Pensamento negativo

0 que ó que Você pode fazer contra esse processo autodestrutivo? em primeiro lugar é preciso reconhecer que Você se está entregando ao pensamento negativo. Se a sua maneira habitual de pensar ó cheia de medo, de inveja e erótica, então Você se sentirá deprimido, ansioso e desgostoso. 0 pensar e o sentir podem promover um ciclo vicioso de causa e feito. Os seus próprios hábitos de pensar determinam se um revés ou uma tragédia de perda pessoal irá causar-lhe uma dor inútil ou se poderá ser controlada até que o tempo cicatrize a ferida e lhe traga felicidade novamente.
0 pensamento negativo recusa-lhe o poder do pensamento construtivo. Desgasta a sua energia e corrói a sua felicidade. Ele conhece a tragédia e o desapontamento e sabe como é fácil escorregar para o caminho destrutivo, do ressentimento e da amargura.
Um amigo meu, psiquiatra, perdeu o seu único filho. Foi morto num „raid“ aéreo sobre o território inimigo. 0 Dr. X desenvolveu uma cruel batalha com o desespero. Não era fácil ouvir as histórias de outras pessoas, às vezes bem menores do que a sua e apresentar suas simpatias, dando toda a atenção aos problemas delas.
– Durante vinte e cinco anos ajudei as pessoas com os seus problemas mentais, disse-me ele, mas agora parece que chegou a minha vez.
0 Dr. X, um pouco forçadamente, ainda acrescentou:
– Dizem que a pessoa que dobra um pára-quedas precisa estar disposta a usá-lo e provar que foi dobrado satisfatoriamente. 0 mesmo se aplica ao psiquiatra. Precisei aprender a pensar no meu rapaz, como fiz a principio, caindo vertiginosamente para a morte. Aprendi a não me deixar invocar pela sua infância e pela minha perda irreparável. Ele foi um lutador – eu preciso, ser também. Resolvi concentrar-me nos meus pacientes, no meu trabalho e nos mais altos objetivos que possa alcançar.

Uma vez que Você admite o fato de que a sua mente ó presa de pensamentos mórbidos, a segunda providência é reconhecê-lo pelo que realmente é.

0 Pensamento Mórbido Pode Tornar-se um hábito

É quando os pensamentos mórbidos se tornam habituais que nos encontramos em perigo de um esgotamento nervoso. Esses pensamentos nos amedrontam cada vez mais. Horrorizados de nós mesmos, tentamos reprimi-los. Os neuróticos dissipam toda a sua energia mental preocupando-se com os seus pensamentos negativos.
Quando um paciente me conta que a sua mente está fugindo com ele, que está sendo acossado por pensamentos negativos, com e ele invariavelmente diz:
– Eu estou enojado comigo mesmo. Não quero ter estes pensamentos odiosos.
Porém na verdade ele quer te-los. Nâo conscientemente, talvez, Mas subconscientemente. Se não houvesse um profundo e poderoso interesse nesses pensamentos, não os teria. É como o alcoólatra que diz para Você:
– Eu na verdade detesto esta droga, mas não posso deixá-la.
0 paciente pode estar muito certo quando diz que o seu pensamento negativo é involuntário. As circunstâncias podem introduzir em nós idéias extravagantes de toda espécie e a mente humana é capaz de tudo em matéria de imaginações, boas ou más.
0 fato de ele continuar permitindo o desenvolvimento do pensamento negativo, demonstra a necessidade de encontrar a causa oculta – o desejo oculto que o instiga a pensar assim em vez de exercitar a maneira de controlar-se.
Paradoxalmente, os seres humanos podem aprender a gostar das próprias coisas que destroem a sua paz de espirito. A meditação possui as suas fascinações. As fantasias de vingança ou do prazer erótico podem ser distintamente prazerosas, uma vez que nos desculpamos dizendo que não as queremos, mas que não podemos contê-las. Os preocupados crônicos gostam de sentir-se infelizes, somente porque desconhecem a alegria muito maior a que advém do controle mental.
Não apenas o presente, mas também o passado, oferecem tentação ao pensamento negativo; a tentação de permanecer em alguma experiência reprimida na infância, se não for devidamente controlada, pode resultar em conflitos mentais.

Quero reprisar que a mera o ocorrência desses pensamentos não ó culposa: torná-los um hábito não é culpa de ninguém senão exclusivamente sua. Porque sempre que esses pensamentos vem á mente, temos a livre escolha de rejeitá-los ou aceitá-los.

Use Seu Comutador Mental Quando Tiver Necessidade

Todos nós temos o que poderíamos chamar de comutador mental. Nada neste mundo pode nos compelir a pensar numa determinada idéia, exceto o nosso próprio o desejo. Se Você fizer um esforço consciente, poderá desligar qualquer pensamento, que lhe vier á mente – como o faria com um fraco programa de radio.

Um homem que esteja com torcicolo e que ocasionalmente leia a respeito de uma epidemia de pó1io, pode repentinamente pensar: – „Meu Deus! Acho que que contrai a paralisia infantil“. Nesse momento ele pode fazer uso do seu comutador mental; deixar que esse pensamento lhe invada a mente, sentar-se e tremer de medrosas possibilidades ou então poderá olhar novamente para o seu pensamento e dizer:

– Que idéia horrorosa ó esta agora! Eu poderia morrer de medo, se quisesse continuar com este pensamento, mas eu não quero.

Vira o botão, corta a corrente negativa de pensamentos e continua a pensar em coisas saudáveis. Porém, lembre-se, ele assim fez somente depois de examinar a coisa cruamente, reconhecendo-a como tolice. A preciso investigar deliberadamente esses fantasmas mentais que chegam até Você, antes que Você os interrompa e continue a pensar em outros assuntos.
Como qualquer outra coisa, isto requer um esforço consciente. Mas o esforço primário ó microscópico comparado ao grande esforço que será necessário á reabilitação, caso Você se deixe arrebatar pelos hábitos do mau pensamento. Se os maus pensamentos se tornaram um hábito escravizador e de longa permanência, o paciente muitas vezes dirá ao seu psiquiatra:
– não ouso ficar a sós com os meus pensamentos. Eles me aterrorizam.
Nesse caso, sempre que o medo dos pensamentos se torne arraigado, ó necessário que se reflita sobre esses mesmos pensamentos, por menos que se queira. Mas não em segredo ou com vergonha. A preciso falar a respeito de1es, escreve-los, tirá-los fora do sistema e para a claridade, exatamente da mesma maneira que se lanceta uma infecção para livrar-se do pus da substância maléfica, antes que se possa esperar pela cicatrização.

Deste modo, o homem ou a mulher que são vitimados por tais pensamentos se colocam em expectativa e transformam os pensa mentos de tentações medrosas, de tristezas e de terrores, em fantasmas
mentais inteiramente criados por culpa própria. Quando o medo for banido, então pode-se dar inicio ao uso do comutador mental para expulsar o gérmen do mal.

Deixe de Meditar em Coisas mórbidas

A ação ó o tônico que deve acompanhar o pensamento que não é saudável. Não deixe que lhe sobre tempo para tais meditações. Voltaire disse: „Quanto mais meditarmos em nossos infortúnios tanto maior será o seu poder para nos ferir.“
Mas sempre aparece uma lamentação: „Mas por que deveria ser ?Eu?a vitima de tão horríveis pensamentos? Por que é comigo que acontece ter pensamentos odiosos, ter medo de doenças e de morte, todas as vezes que tenho um resfriado ou uma dor de cabeça?
0 psiquiatra responde:
– Por que não Vocês? Todo mundo sem nenhuma exceção está sujeito a tais pensamentos. Você não ó o único em seus pensamentos mórbidos e nem em seus bons pensamentos. Tudo o que Você pensa foi anteriormente pensado e será pensado outra vez.
Ver-se em perspectiva é uma necessidade, se Você desejar possuir bons hábitos de pensar. Esses hábitos serão a chave de toda a sua personalidade. Como um soldado, Você pode alertar-se do perigo de um mau comportamento mental.

0 Álcool não ó a Resposta

Hoje em dia uma das fugas mais comuns de pensamentos depressivos está na garrafa. „Tome um traço e afogue as suas mágoas“ grita o bêbado feliz. Amanhã, ele não será feliz e nem terá esquecido os seus aborrecimentos. Estará doente, fraco, trêmulo e duplamente amedrontado pelas mesmas ambições que não pôde encarar um dia antes.

É Você Quem Escolhe

Lembre-se de que Você pode, literalmente, através do pensamento, abrir caminho para um esgotamento nervoso ou seguir em direção oposta; para uma infelicidade crônica ou uma feliz auto-suficiência; para uma vida de sucessos ou para o suicídio. A escolha ó sua.

Outras Coisas Que Você Pode Fazer Para Evitar o Esgotamento Nervoso

1. Precate-se de tomar a sua, própria pessoa muito a sério.

2. Cultive o senso de humor e ria mais. Os testes sobre o riso provaram que a risada reduz a tonicidade muscular e relaxa os tecidos, enquanto a carranca aumenta a tonicidade muscular e coloca o corpo todo sob tensão e esforço.

3. Quando as coisas se tornarem difíceis, Você deve discutir os seus problemas com alguém ? é preferível arejá-los a conservá-los com Você. Os conflitos se inflamam e se transformam em abscessos mentais.

4. Quando Você sentir necessidade de férias, deve tirá-las.

5. 0 cultivo de um passatempo ó tão importante como o ganho de dinheiro ou a aquisição de conhecimento.

ó . Manter-se fisicamente em forma ó também importante.

7. Espaireça os medos que por acaso Você tenha cultivado em virtude de uma prévia e errônea concepção sobre esgotamento nervoso.

8. Se necessário leia, muitas vezes, este mesmo capítulo, que é todo especial.

Excerto do livro AJUDA-TE PELA PSIQUIATRIA, de Frank S. Caprio, totalmente escaneado e corrigido manualmente por mim, podendo haver falhas.


Bem, o texto não é de minha autoria e eu não escreveria exatamente nestes termos… mas adianto-lhes que este livro de Frank S. Caprio ajudou a me conservar viva até hoje, foi um amigo insubstituível na minha adolescência problemática…

Será que tenho alguma foto casual???

Dois iglus construídos no jardim da Monika, que avisto de minha janela (foto batida há uns 4 ou 5 dias, por aí).

O gatinho Billy olhando pra cima e me vendo fotografá-lo…

Momentos felizes que haverão de voltar… não os mesmos, pois são únicos, mas outros por vir…

Beijos,

Verinha – já bem melhor da gripe.

cheap shoes

MOMENTO DE REFLEXÃO, UMA PAUSA PARA RESPIRAR… E NEVA, NEVA SEM PARAR… NESTE RECANTO ALGUMA CHUVA CAI…

Meus queridos amigos!!!

Desta vez resolvo elaborar a minha Eintrag OFF LINE, no meu StarOffice 7 (o programa que agora utilizo em lugar do Word). Gente, não sei o que realmente se passa comigo, mas estou sem pique para muitas coisas que curto… Talvez seja uma fase em minha vida, não sei…

Estou mais pra relaxar, talvez colocar-me numa posição mais passiva diante da vida, tal como aquela do espectador de TV… como curti passar o dia de ontem como uma rainha no sofá de nossa Wohnzimmer, assistindo tudo o que o pessoal no Brasil está tão acostumado a ver… é… quase quatro anos que estou na Alemanha!

No começo foi difícil, gente, como foi… quantas saudades senti, quantas vezes vivi a sensação de ser uma ?estranha no ninho?… Como me doía a lembrança de tudo aquilo que deixara pra trás… e dentre todas, a dor mais profunda e da qual talvez jamais me cure nesta existência foi ter deixado o meu gatinho Tico, ter abandonado o meu filho… que hoje não sei onde anda, não sei se já descansa no Paraíso dos seres inocentes, ou se teve a sorte de ser adotado por gente capaz de lhe dar carinho… Jamais saberei. Este foi o preço que tive que pagar por aqui estar, digamos ? o mais caro de todos.
Claro que não foi esta a única dor. Eu simplesmente deixei tudo, minha gente… todo o mundo com o qual estava acostumada até então… minha casinha na Vila Mariana, meu apartamento, meus 3 computadores, minha família, todos os meus amigos… como que de alguma forma morrendo para tudo aquilo que me era tão familiar… para depois renascer para outra vida, do outro lado do mundo. Vida e morte, dois lados da mesma moeda…

Bem… sobre isto tanto mais teria a dizer, mas… sou tomada por um cansaço extremo. Até coloquei um link para meu outro blog, que eu pretendo mais intimista, mas não existe nada escrito lá, ou melhor… até existe, mas palavras sem substância, nada a ver com aquilo que gostaria de colocar por lá…

Em breve deixarei de postar tantas fotos por aqui, meu pessoal… e ao invés disto colocá-las no meu espaço no domínio www.verinha2.de, que agora está com uma capacidade de 2.000 megabytes para armazenamento de dados, além dos 50 gibabytes de transferência de dados… mas sei, isto é informatiquês…

Há tempos eu me sinto um tanto estressada, mas o corolário disto tudo foi um dia em que o até então companheiro de anos, o Word, resolveu me dar uma rasteira e parar de funcionar. Desinstalar, reinstalar, reinstalar o Windows, nada disto resolveu o problema. Não queria formatar o meu disco, inclusive num computador tão novinho… não queria perder novamente todas as informações, configurações e que tais. Dane-se o Word, dane-se o Office, dane-se a Microsoft. Infelizmente ainda estou usando o Windows como sistema operacional, e ainda não renunciei ao Frontpage. Mas estou preparando-me para mergulhar no Linux. O StarOffice não deixa de ser o pacote oficial deste sistema, e não deixa nada a dever ao Office, da Microsoft, estupidamente caro e parte do domínio do imperador da era digital: Bill Gates. Grrrrrrrrr

Bem, vou postar algumas fotos, não tenho muitas novidades que tenha adequado ao formato do Blogg… Hoje novamente nevou por aqui, foi como que uma quase tempestade de branco que recobriu os teclados, calçadas, ruas… um espetáculo bonito, não nego… se você permanecer no aconchego do lar. Pois aqui chove sim, e alguma chuva cai…

Vamos às fotos habituais…

Foto de um ângulo que vocês já conhecem: da janela da cozinha de casa. Dá pra ver o nosso jardim (os 2 containers azuis são para o lixo-papel) e o lado oposto da rua.

Em plena „nevasca“: numa cópia maior poder-se-ia ver os flocos de neve caindo.

De novo, a casa da vizinha (o que vou fazer, se a casa dela fica defronte à minha janela?… risos…) e o nosso jardim, todo coberto de neve… Esta é a parte da Monika.

Nossa Pimbolinha, deitada em sua „árvore de gatos“…

E Pimbol, muito folgadinho e relaxado em sua cestinha…

E esta que lhes escreve… na sala, assistindo à TV, quando Stefan novamente me flagou.

A TV da sala com imagens da Globo (o programa Globo Ecologia ou algo que o valha). Pode-se ver o receptor Octal sobre o vídeo.

Beijos,

Verinha

„DIE MENSCHHEIT LÄSST SICH GROB IN ZWEI GRUPPEN EINTEILEN – IN KATZENLIEBHABER UND IN VOM LEBEN BENACHTEILIGTE.“

INSTANTES, DE JORGE LUIS BORGES. SE EU PUDESSE VIVER NOVAMENTE A MINHA VIDA…

Boa tarde, amigos!

Hoje andei pesquisando sobre o poema INSTANTES, que sempre creditara a Jorge Luis Jorges, e no fim verifiquei que existe uma grande polêmica quanto ao verdadeiro autor. Em inglês achei versões pessimamente traduzidas, e escolhi uma que me pareceu mais palatável. Obviamente reproduzo o original em espanhol e descobri também a versão alemã!!!

Vamos a elas…

Foto batida por Dacio Azevedo Rodrigues, meu irmão, em maio de 2003, em algum lugar da Baviera…

INSTANTES (VERSÃO EM ESPANHOL)

Si pudiera vivir nuevamente mi vida,
en la próxima trataría de cometer más errores.
No intentaría ser tan perfecto, me relajaría más.
Sería más tonto de lo que he sido,
de hecho tomaría muy pocas cosas con seriedad.
Sería menos higiénico.
Correría más riesgos,
haría más viajes,
contemplaría más atardeceres,
subiría más montañas, nadaría más ríos.
Iría a más lugares adonde nunca he ido,
comería más helados y menos habas,
tendría más problemas reales y menos imaginarios.
Yo fui una de esas personas que vivió sensata
y prolíficamente cada minuto de su vida;
claro que tuve momentos de alegría.
Pero si pudiera volver atrás trataría
de tener solamente buenos momentos.
Por si no lo saben, de eso está hecha la vida,
sólo de momentos; no te pierdas el ahora.
Yo era uno de esos que nunca
iban a ninguna parte sin un termómetro,
una bolsa de agua caliente,
un paraguas y un paracaídas;
si pudiera volver a vivir, viajaría más liviano.
Si pudiera volver a vivir
comenzaría a andar descalzo a principios
de la primavera
y seguiría descalzo hasta concluir el otoño.
Daría más vueltas en calesita,
contemplaría más amaneceres,
y jugaría con más niños,
si tuviera otra vez vida por delante.
Pero ya ven, tengo 85 años…
y sé que me estoy muriendo


INSTANTES (PORTUGUÊS)

Se eu pudesse viver novamente a minha vida,
na próxima trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser perfeito; relaxaria mais.
Seria mais tolo do que tenho sido; na verdade,
bem poucas coisas levaria a sério.
Seria menos higiênico.
Correria mais riscos, viajaria mais, contemplaria mais entardeceres,
subiria mais montanhas, nadaria mais rios.
Iria a lugares onde nunca fui,
tomaria mais sorvetes e menos lentilhas,
teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata e produtivamente
cada minuto de sua vida; claro que tive momentos de alegria.
Mas, se pudesse voltar a viver, trataria de ter somente bons momentos.
Porque, se não sabes, disso é feita a vida, só de momentos,
não percas o agora.
Eu era um desses que nunca ia a parte alguma sem um termômetro,
uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas;
se eu voltasse a viver, viajaria mais leve.
Se eu pudesse voltar a viver, começaria a andar descalço
no começo da primavera, e continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua, contemplaria mais amanheceres
e brincaria com mais crianças,
se tivesse outra vida pela frente.
Mas vejam, tenho 85 anos
e sei que estou morrendo…

JORGE LUIZ BORGES , 1986, SUÍÇA.


ON LIVING (ENGLISH VERSION)

„If I had my life to live over again,
I would try to make more mistakes next time…
I’d try not to be so damned perfect;
I’d relax more, I’d limber up,
I’d be sillier than I’ve been on this trip;
In fact, I know of very few things I’d take quite so seriously;
I’d be crazier … and I’d certainly be less-hygenic;
I’d take more chances … I’d take more trips …
I’d climb more mountains … I’d swim more rivers …
And I’d watch more sunsets;
I’d burn more gasoline,
I’d eat more ice cream – and fewer beans;
I’d have more actual troubles and fewer imaginary ones,
You see, I was one of those people who lived prophylactically and sensibly,
hour-after-hour and day-after-day;
Oh, that doesn’t mean I didn’t have my moments,
But if I had it to do all over, I’d have more of those moments,
In fact, I’d try to have nothing but wonderful moments, side-by-side.
I was one of those people who never went anywhere without a thermometer,
a hot water bottle, a gargle, a raincoat and a parachute;
If I had it to do all over again, I’d travel lighter next time.
If I had my life to live all over again,
I’d start barefoot earlier in the spring
and I’d stay that way later in the fall;
I’d play hooky a lot more;
I’d ride more merry-go-rounds, I’d pick more flowers,
I’d hug more children,
I’d tell more people that I loved them,
If I had my life to live over again;
But, you see, I don’t.“


EIN ZWEITES MAL (DEUTSCHE VERSION)

Könnte ich mein Leben noch einmal von vorn beginnen,
würde ich versuchen mehr Fehler zu machen.
Ich würde alberner sein, würde ganz locker werden,
nur noch ganz wenige Dinge ernstnehmen.
Ich würde entschieden verrückter sein und weniger reinlich.
Ich würde mehr Gelegenheiten beim Schopfe packen
und öfters auf Reisen gehen..
Ich würde mehr Berge ersteigen,
mehr Flüsse durchschwimmen und
mehr Sonnenaufgänge auf mich wirken lassen.
Ich würde mehr Schuhsohlen durchlaufen,
mehr Eis und weniger Bohnen essen.
Ich würde mehr echte Probleme und
weniger eingebildete Nöte haben.
Wie Sie bemerkt haben werden,
war ich eine von denen, die
vorsorglich, vernünftig und gesund leben,
Stunde für Stunde Tag für Tag.
Nun, ich habe meine verrückten Augenblicke,
aber, wenn ich noch einmal von vorne anfangen könnte,
würde ich mehr verrückte Augenblicke haben ?
genau gesagt, Augenblicke,
einem nach dem Anderen, und nichts mehr
von Plänen zehn Jahre voraus.
Wissen Sie, ich bin eine von denen,
die für alle Fälle Thermometer, Wärmflasche,
Gurgelwasser, Regenmantel und Fallschirm
bei sich haben.
Hätte ich ein zweites Leben,
ich würde sie alle zu Hause lassen.
Könnte ich mein Leben noch einmal von vorn beginnen,
ich würde in aller Herrgottsfrühe
barfuß in den Frühlingsmorgen laufen
und als letze sagen. jetzt ist der Herbst dahin.
Ich würde Hockey spielen,
und vom Karussell würden Sie mich
nicht mehr herunterbringen.

E por aqui fico…

Verinha

ESTREANDO O NOVO EDITOR DO BLOGG.DE (WYSWYG)… ABAIXO O PANACA DO BILL GATES, ADEUS MEU TRAIDOR COMPANHEIRO WORD!!! FORA, MICROSOFT!!! XÔ!!!

Boa tarde, pessoal!!! Hoje estréio o novo editor tipo WYSWYG do Blogg.de (What You See What You Get), ainda sem estar familiarizada com as novas opções. Depois de 3 semanas de batalhas perdidas na tentação de recuperar o meu word bichado, eu resolvo dar uma trégua. Já instalalei o StarOffice 6.0, do Sun Microsystems Bem, a versão 6.0 (a que tenho) logo não terá mais suporte técnico, mas em compensação eu a obtive completamente grátis e estou muito feliz!!!

 


 

Bem… confesso que estou apanhando com este novo editor WYSWYG, e já retornei ao editor antigo, em HTML… Putz, gente, aqui não tem visualizador, êita nóis…

 


 

É, estou sem assunto. Exausta e não sei o que coloco aqui pra encher lingüiça…

 

OK, SCREENSHOTS DO MEU GAME NEED FOR SPEED UNDERGROUND 2

 

 

 

 

Acima meu volante MOMO racing feedback force, da Logitech

 

E aqui o conjunto volante com marcha e os pedais: acelerador e freio. Mas como nem tudo são flores…

 

 

Esta mensagem de erro recebi cerca de 10 a 15 vezes na reinstalação do Windows porque a porcaria do Word não funcionava mais. E NÃO ADIANTOU NADA, continua a mesma… droga. Eis o texto "amigável" da mensagem:

Die Software, di für diese Hardware instaliert wird

Intel (R) 82801EB USB Universal Host Controller – 24DE

hat den Windows-logo-Test nicht bestanden, der die Kompatibilität mit Windowx XP überprüft.

Fortsetzen der Installation dieser Software kann die korrekte Funktion des Systems direkt oder in Zukunft beeinträchtigen. Microsoft empfiehlt strengstens, die Installation jetzt abzubrechen und sich mit dem Hardwarehersteller für Software, die den Windows Logo-Test bestanden hat, in Verbindung zu setzten.

Ou, em inglês…

Microsoft strongly recommend that installation is stopped and that you should contact your hardware vendor for software that has passed windows logo testing"

Gente, nem vou traduzir para o português pois estou sem tempo… o Blogg precisa melhorar este editor pois demorei muito mais tempo do que antes para editar um post tão bobo como este…

BILL PALHAÇÃO!!! FORA!!!

 

É, meu velho Bill… você passou dos limites. Não sei ainda o que vou fazer, porque os fabricantes do meu micro me entregaram a máquina com a FAT NTFS, que a priori não é compatível com o LINUX… Veremos. E este foi o fim de um post sem nexo, num dia em que me sinto com meu cérebro vazio… Mas dias melhores virão… I hope so!!!

 

Beijos,

 

 

Verinha revoltada!!!